Home > P.P.News (Assine Já) > Clipping PPNews > RECE – Déficit em produtos químicos totaliza US$ 1,9 bilhão em janeiro

RECE – Déficit em produtos químicos totaliza US$ 1,9 bilhão em janeiro

Importações mensais passam de US$ 3 bilhões desde maio de 2017

Os produtos químicos importados continuam a ocupar um crescente espaço no mercado nacional. Em janeiro as importações brasileiras de produtos químicos totalizaram US$ 3,1 bilhões, o que representa um aumento de 3,0% na comparação com dezembro passado e de 16,3% na comparação com janeiro de 2017. Desde maio do ano passado as importações de produtos químicos têm sido superiores a US$ 3 bilhões.

Os intermediários para fertilizantes continuam sendo o segmento com maior peso para o déficit da balança comercial de produtos químicos e representaram 12,4% do total de importações, equivalente a US$ 392,3 milhões, apesar da queda de 39,2% em relação às importações desses produtos em dezembro passado e de 29,7% na comparação com janeiro de 2017.

Já as exportações de produtos químicos, de US$ 1,2 bilhão, registraram aumento de 15,2% em relação a janeiro do ano passado. As resinas termoplásticas continuam a ser os produtos químicos mais exportados, representando 15,2%, equivalente a US$ 186,4 milhões das vendas externas brasileiras de produtos químicos. O resultado da balança comercial de produtos químicos indicou um déficit de US$ 1,9 bilhão em janeiro e de US$ 23,7 bilhões nos últimos doze meses (fevereiro de 2017 a janeiro de 2018).

Em termos de volumes, as importações de 2,9 milhões de toneladas representam, respectivamente, uma diminuição de 23,1% em relação a janeiro passado e 24,9% na comparação com dezembro de 2017. Resultado que se deveu, fundamentalmente, à redução das compras de intermediários para fertilizantes, atrelada ao elevado estoque ainda remanescente das compras do segundo semestre de 2017. Por sua vez, as exportações de 1,6 milhão de toneladas significaram um crescimento de 1,3% em relação a janeiro de 2017 e de 13,7% em relação a dezembro passado.

Para a diretora de Assuntos de Comércio Exterior da Abiquim, Denise Naranjo, há inequívocos sinais de que 2018 deverá ser um ano desafiador para o setor químico e para toda a indústria de modo geral, considerando que o ritmo das importações continua bastante intenso desde meados do ano passado e que, no contexto da retomada do consumo interno, o produto nacional está crescentemente sendo deslocado, o que ameaça a manutenção de fabricações existentes e a atração de novas produções. “Fortalecer a competitividade para que novos investimentos possam inverter a tendência de apropriação do mercado doméstico pelo produto importado e garantir solidez e integralidade do sistema brasileiro de defesa comercial para plena eliminação das práticas predatórias de comércio são missões decisivas para o Governo e para todo o setor privado neste ano”, destaca Denise.

Créditos: ABIQUIM Informa

 
 
Voltar | Topo | Indicar a um amigo | | Imprimir página | Início
 

Home | Política de Privacidade | Mapa do Site | Anuncie no PP | Fale Conosco

2009 Produtos Perigosos. Todos os direitos reservados. Política de privacidade

Área restrita: E-mail: Senha: Lembrar senha
 
Nipotech