Home > P.P.News (Assine Já) > Clipping PPNews > Grupo é treinado para atender acidentes com produtos químicos

Grupo é treinado para atender acidentes com produtos químicos

Cerca de 150 pessoas iniciaram no último dia 08.03 (terça-feira) o curso ‘Diretrizes de Atendimento de Emergência no Transporte Rodoviário com Produtos Perigosos’, promovido pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). A capacitação seguiu até sexta-feira (11.03) com uma simulação de colisão entre duas carretas. O objetivo é treinar as entidades que compõe o Programa Estadual de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida a Emergências Químicas (P2R2) para o atendimento nas rodovias de Mato Grosso.

Para a secretária Ana Luiza Peterlini, o trabalho dessa equipe é muito importante, já que diariamente inúmeros caminhões trafegam com cargas perigosas e um acidente poderia gerar prejuízos irreversíveis à população e danos ao meio ambiente, com contaminação de solo, água, ar e geração de resíduos. “Essa iniciativa visa integrar os setores públicos e privados para juntos oferecermos resposta rápida e eficiente”.

O Coordenador de Monitoramento da Qualidade Ambiental da Sema, o químico Sérgio Batista de Figueiredo, explica que esse é o segundo curso realizado no Estado, mas o primeiro com a nova legislação. Embora seja um trabalho prioritário e que exija a atuação de uma equipe multidisciplinar, o protocolo até então não teve efetividade. “Ficará com o Corpo de Bombeiros o papel de oferecer a primeira resposta, cabendo a Sema orientar e monitorar as consequências pós acidente”.

Ele explica que muitas são as consequências do atendimento não adequado a esse tipo de acidente, no caso de combustíveis ou metais pesados, por exemplo, pode gerar uma contaminação do solo que inutilize grandes áreas. Utilizado por algumas mineradoras de Mato Grosso para extração do ouro, o cianeto é outro produto que desperta a preocupação dos técnicos da Sema. Embora seja altamente tóxico e perigoso à saúde humana e dos demais seres vivos, não há por enquanto planos de mobilização e atendimento em caso de acidente.

Conforme o técnico de Atendimento à Emergências Químicas da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), Marco Antônio Lainha, que está ministrando o curso, a capacitação nivelará as informações da norma brasileira da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) NBR 14064/2015, além de despertar a percepção do risco dos acidentes e do papel fundamental da atuação do grupo. “Hoje cada um trabalha do seu modo, a proposta é que tenhamos daqui para frente um corpo que funcione em harmonia”.

Além de técnicas voltadas ao atendimento de acidentes nas rodovias, a equipe trabalha a importância do processo de licenciamento, que é um momento em que as empresas têm de apresentar seus planos de ação para emergências e de gerenciamento de resíduos. “O empreendedor tem que estar consciente sobre a importância de ter um planejamento prévio para saber como agir em situações de risco, já que algumas situações põem em risco a vida humana”, avalia Sérgio Figueiredo.

Equipe de parceiros

O superintendente da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Kellen Arthur Preza, lembrou durante a abertura do curso que o Estado possui cerca de 4mil km de rodovias federais e por elas passam milhares de carretas com defensivos agrícolas, combustível, fertilizantes, entre outros produtos perigosos. E para atender a demanda ele acredita que o importante é ter um olhar diferenciado, oferecer ações integradas e rápidas.

Já o secretário-adjunto da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Werley Peres, explicou que o país tem crescido em vários aspectos, mas ainda dispõe de um efetivo pequeno para atuar nas rodovias. Ele considera o alinhamento profissional entre as entidades um marco para Mato Grosso. “Com cada um exercendo sua função de maneira organizada, vamos evitar danos de grandes proporções”.

Além da Sema, participam do P2R2 a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Corpo de Bombeiro Militar, a SES, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Vice-Governadoria e Defesa Civil do Estado, além de empresas privadas como a Rota do Oeste.

As rodovias que recebem o maior fluxo de carretas são as BRs 163 e 364. Para o gerente de operações da Rota do Oeste, Fernando Milléo, empresa responsável por 850 km dessas duas rodovias e um trecho da BR 070 (entre Cuiabá e Várzea Grande), o curso será fundamental para orientar sobre os atendimentos que já têm sido realizados. Em 2015, a empresa registrou 44 ocorrências envolvendo produtos perigosos nas três rodovias federais. Entre as cargas classificadas como perigosas, as que aparecem com maior incidência são: álcool etílico (12%), algodão (8%), líquidos inflamáveis (6%) e gás GLP (6%).

(Fonte: MT Agora - 11/03/2016)

 
 
Voltar | Topo | Indicar a um amigo | | Imprimir página | Início
 

Home  |  Política de Privacidade  |  Mapa do Site  |  Anuncie no PP  |  Fale Conosco

2009 Produtos Perigosos. Todos os direitos reservados. Política de privacidade

Área restrita: E-mail: Senha: Lembrar senha
 
Nipotech